Diferença entre empilhar, cascatear e fazer um cluster com Switch Cisco

Tempo de leitura: 2 minutos

Olá caros amigos, alunos e leitores do blog da DlteC! Nesse artigo vamos tratar de um assunto interessante e que muitos alunos e clientes corporativos que atendemos nos questionam: “Qual a diferença entre empilhar, cascatear e fazer um cluster com Switch Cisco?“. Se você já fez a mesma pergunta esse é um artigo que com certeza o agradará e ajudará em seus próximos projetos, por isso aproveite o conteúdo!

A forma mais simples e usual de conectar switches é fazer o cascateamento, em inglês “Daisy Chain”, que nada mais é que conectar um switch a outro para formar um conjunto de switches utilizando portas de LAN, muitas vezes chamadas de Uplink, conforme ilustração a seguir.

daisy-chain

No exemplo acima utilizamos um cabo entre cada switch, mas por questões de redundância podem ser conectados dois ou mais cabos entre eles. Essas conexões podem ser feitas também com cabos de fibra e módulos SFP.

Quando falamos de empilhamento ou stacking de switches Cisco estamos fazendo muito além de um simples cascateamento, na realidade a pilha é como se fosse um switch só formado por todos que estão interconectados através do cabo de empilhamento (stacking cable). Atrás do empilhamento existe um protocolo que garante o funcionamento da pilha e o gerenciamento simplificado desses dispositivos, por isso não é qualquer switch que suporta essa facilidade, switches específicos como os 3750-X e alguns modelos de 3560-X e 2960 suportam essa facilidade.

cisco-3750-x-2

Note que nessa configuração as portas dos switches empilhados ficam 100% livres, pois a conexão entre eles é feita pela parte traseira diretamente através do backplane de cada integrante da pilha. As maiores vantagens desse tipo de arquitetura é a não utilização de portas frontais, sejam UTP ou SFPs, gerenciamento da pilha de switches como se fosse um dispositivo apenas e a melhor utilização de banda entre os dispositivos, pois não temos mais gargalos entre eles uma vez que a conexão é direta.

Abaixo segue um vídeo onde é mostrada a conexão dos cabos e preparação de dois 3750-X muito interessante para quem tem curiosidade da parte física dessas conexões, ele está em inglês mas mesmo que você não entenda o que está sendo falado para visualizar a parte física é interessante.

Quando falamos em clusterização ou clustering com switches Cisco tratamos de gerenciamento, ou seja, essa tecnologia permite que até 16 switches formem um cluster gerenciado por apenas um endereço IP. Basicamente é um método de gerenciar switches sem necessitar endereçar cada um deles separadamente, isso pode facilitar o acesso remoto e também reduzir a quantidade de endereços válidos no caso de switches de Internet, economizando principalmente IPs versão 4.

cluster

Espero que vocês tenham gostado e compartilhem com seus amigos nosso artigo! Até uma próxima!

Prof Marcelo Nascimento

 E se você deseja aprender mais sobre switches e roteadores Cisco não deixe de conferir nossos cursos para certificação Cisco e de Redes.

Sendo nosso assinante você terá acesso a TODOS os cursos para ajudar na sua jornada profissional.

Sobre Marcelo B do Nascimento

Cofundador da DlteC do Brasil e 7Bit Tecnologia, graduado em Engenharia Eletrônica/Telecomunicações pela UTFPR e pós-graduado em Redes e Sistemas Distribuídos pela PUC-PR. Trabalha na área de Tecnologia da Informação e Telecomunicações desde 1996. Certificado ITIL Foundations, CCNA Routing & Switching, CCNA Voice, CCNA Security e CCNP Routing & Switching.

  • Diego Bruno

    Uma dúvida. Para fazer o cascateamento em mais de dois switchs, como será?

    • http://www.dltec.com.br DlteC do Brasil

      Oi Diego, do jeito que mostra nesse artigo através dos cabos de stacking se eles forem empilháveis. Se eles não forem empilháveis você deve utilizar cabos UTP ou de fibra entre cada um deles.