Resumo dos endereços IPv6 para quem está estudando para provas de certificação

Tempo de leitura: 3 minutos

Nesse artigo vamos ver um resumo dos endereços IPv6 que podem ser cobrados ou mencionados em diversas provas de cerificação Cisco (CCENT, CCNA R&S, CCNA Security ou CCNP ROUTE) e também de outros fabricantes, tais como certificações dos fabricantes Juniper, Brocade e Microsoft.

Confira os endereços abaixo:

  • 0:0:0:0:0:0:0:0/0 ou ::/0 > Rota padrão.
  • ::/128 > Endereço não especificado (Unspecified).
  • ::1/128 > Endereço de Loopback (no IPv4 é o 127.0.0.1).
  • ::/96 > Reservado para compatibilidade com IPv4, porém seu uso foi descontinuado. Seria um endereço como ::192.168.1.1, o motivo do /96 é que como temos 32 bits no IPv4 dá um total de “96+32=128 bits”.
  • ::FFFF:0:0/96 > Endereço IPv4 mapeado como IPv6. É aplicado em técnicas de transição para que hosts IPv6 e IPv4 se comuniquem, por exemplo, ::FFFF:192.168.1.1.
  • 2001::/32 > prefixo utilizado no mecanismo de transição Teredo.
  • 2001:DB8::/32 > prefixo utilizado para representar endereços IPv6 em textos e documentações.
  • 2002::/16 > Prefixo utilizado no mecanismo de transição 6to4.
  • FC00::/7 > Unique local (ULA). Este endereço provavelmente será globalmente único, utilizado apenas para comunicações locais, geralmente dentro de um mesmo enlace ou conjunto de enlaces, a princípio o endereço ULA não deve ser roteado na Internet.
  • FE80::/10 > Link-local unicast. Este endereço é utilizado apenas na LAN onde a interface está conectada, o endereço link local é atribuído automaticamente utilizando o prefixo FE80::/64 e os outros 64 bits do ID da Interface são configurados utilizando o formato IEEE EUI-64, uma composição que utiliza o endereço MAC do host para formar o endereço da Interface.
  • FEC0::/10 > Site-local unicast, porém sua utilização foi substituída pelos endereços ULA e ele caiu em desuso.
  • FF00::/8 > Faixa de endereços de multicast.

Para os endereços de Unicast Globais, ou seja, os roteáveis na Internet está reservada para atribuição de endereços a faixa 2000::/3, ou seja, dos endereços de 2000:: a 3fff:ffff:ffff:ffff:ffff:ffff:ffff:ffff, o que representa 13% do total de endereços possíveis com IPv6.

A distribuição dos IPs versão 6 é controlada pela ICANN (Internet Corporation for Assigned Names and Numbers), a qual repassa localmente para cara RIR (Regional Internet Registries) as faixas de IPv6 que serão utilizadas em cada uma das regiões do globo. A faixa 2800::/12 foi destinada à LACNIC (Latin America and Caribbean Network Information Centre), a qual reservou para o Brasil um /16 que faz parte deste /12 para distribuir entre as instituições e ISPs do nosso país. O NIC.br, o qual é um NIR (Registro Nacional de Internet), é o responsável pelas alocações de IPv6 no Brasil. Já as empresas e usuários de Internet poderão adquirir IPs diretamente do NIC.br através de um processo para se tornar sistema autônomo ou através de um provedor de serviços de Internet (ISP).

Os endereços de Anycast (não existiam no IPv4) são criados a partir da faixa de endereços unicast e não há diferenças de notação entre eles. O que os diferencia é a configuração realizada nos roteadores e um anúncio explícito de que aquele IP é de Anycast. Dessa maneira vai haver o roteamento e troca de informações sobre esses endereços de Anycast entre os roteadores, além disso, evita que os roteadores interpretem esse endereço como um IP duplicado e gere erros, pois o Anycast é um mesmo IP de Unicast configurado em vários hosts!

Normalmente o Anycast é o final zero da subrede, pois no IPv6 podemos utilizar o primeiro IP final zero para configurar uma interface, assim como o último IP com todos os bits de host em 1, pois não temos mais broadcast no IPv6.

Espero que vocês tenham gostado do artigo e até a próxima!

Prof Marcelo Nascimento

DLTEC ACESSO PREMIUM

Acesse o curso de “IPv6 Online” em nossa área Premium.

Aprenda o que muda com o novo protocolo de Internet, suas principais características e dicas para migração.

Clique aqui para ativar o curso e inciar seus estudos em nossa área de membros premium!

Não é membro premium? Clique aqui e saiba mais sobre a DlteC Premium.

Sobre Marcelo B do Nascimento

Cofundador da DlteC do Brasil e 7Bit Tecnologia, graduado em Engenharia Eletrônica/Telecomunicações pela UTFPR e pós-graduado em Redes e Sistemas Distribuídos pela PUC-PR. Trabalha na área de Tecnologia da Informação e Telecomunicações desde 1996. Certificado ITIL Foundations, CCNA Routing & Switching, CCNA Voice, CCNA Security e CCNP Routing & Switching.